quarta-feira

SEE NOW, BUY NOW

Bonjour Misses,


FASHION NEWS - "See Now, Buy Now" - O futuro dos desfiles e a necessidade de mudanças nas temporadas.



Tenho andado tão intrigada com essa moda do "see now, buy now"!

Trabalho com moda há mais de 10 anos e sempre que esse assunto vem à baila, fico me perguntando como é possível? Porque né, qualquer pessoa que tenha o mínimo de conhecimento do calendário (digamos tradicional) da confecção, sabe que é super difícil de cumprir as datas. 

Falando só por cima: para a peça estar disponível para comprar no dia do desfile, ela já foi pensada suuuuper lá trás, as pilotos já foram testadas, as fotos já foram feitas, a matéria prima já chegou, o estoque já foi fabricado, etc. Sem comentar, a briga de vendas entre inverno e verão, não é mesmo?

Aqui uma entrevista com Tommy Hilfiger, que é uma super grife e o cara defende a ideia.

Em fim, pesquisei muito sobre como essas marcas estão se programando, entretanto, as informações ainda são bem superficiais.

Mas a verdade é que o formato dos desfiles e das semanas de moda está sendo revisto. #fato pois a velocidade com que as imagens das coleções se alastram pelo mundo através das redes sociais, tornou o modelo atual obsoleto, devido à logística,  o que se vê na passarela só chegará nas lojas quase seis meses depois e os consumidores estão cada vez mais acostumados com o imediatismo que a internet provoca e quando deseja algo, quer comprar imediatamente.

No passado, os desfiles foram originalmente criados para as marcas apresentarem suas novidades para seus clientes: lojas multimarcas, compradores especiais e imprensa especializada. Mas esse formado mudou há tempos! Atualmente os desfiles são transmitidos em tempo real para o mundo todo, fazendo com que o "delay" existente entre a apresentação e a chegada das roupas aos pontos de venda, não fizesse mais sentido.

Puxaram a fila! 
Em fevereiro de 2016, a Burberry foi a primeira marca a colocar a coleção à venda logo após o desfile. Já Michael Kors tentou algo diferente, proibiu a divulgação nas redes sociais da sua coleção Resort, que chegou as lojas só em outubro de 2016.
Apesar dos dois exemplos inversos, as estratégias das duas grifes deixam claro que é necessária uma mudança.

Aqui no Brasil, as modas também estão se atualizando. Na edição passada do São Paulo Fashion Week (SPFW), a Riachuello e a Ellus 2nd Floor colocaram suas coleções à venda, imediatamente após as apresentações dos desfiles. E agora em 2017, a semana de moda de São Paulo, passou por outra adequação no calendário (Março e Julho, ao invés de Abril e Outubro), tentando adequar o "see now, buy now". Entretanto, a mudança que parece tão natural ao consumidor, que acompanha as novidades da moda em tempo real, não é tão simples para as marcas. 
Visto o que aconteceu em Junho/2016 no Rio Moda Rio, que se intitulou como a primeira semana de moda a adotar o "veja agora, compre agora" e apesar do grande esforço dos estilistas, na prática, não foi bem assim, só uma pequena parcela das coleções estavam realmente à venda.

Como é de se esperar, é uma evolução que tente realmente a acontecer, porém não será de um dia para o outro. Todas as marcas trabalham com encomendas de matérias primas, pedidos e previsões de vendas e essa mudança precisará de tempo e planejamento para acontecer.

Eu ainda tenho muitas dúvidas, mas e você, o que acha disso tudo? Vai pegar? Caso tenha mais informações sobre o sistema "see now, buy now" fique à vontade em compartilhar nos comentários.

Au Revoir,

Jamile Botelho


Nenhum comentário:

Escrito por...

Criciúma, SC, Brazil
Administradora por formação, professora por vocação e blogueira pela comunicação. And... Sou apaixonada por "looks do dia", moda, viagens, filmes, livros, blogs e "peruices" em geral. E é aqui no "Diário do Coque Frouxo" que eu dou "pitaco" sobre tudo isso...

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...